Começou, esta semana, a Milano Fashion Week, então hoje vamos falar dela, da segunda maior cidade italiana: Milão, a capital da moda.

Localizada no norte do país, na região da Lombardia, Milão tem a maior e mais populosa região metropolitana da Itália, e é a quinta maior área urbana da União Européia.

Fundada sob o nome de Mediolano, pelo povo celta, Milano foi, em 222 a.c., capturada pelos romanos, e se tornou muito bem sucedida sob o Império Romano. Posteriormente, foi governada pelos Visconti ( família lombarda da nobreza italiana ), pelos Sforza ( outra família italiana ), pelos espanhóis, no século XVI, e pelos austríacos, no século XVIII. Em 1796, foi conquistada por Napoleão e, em 1805, ele a fez capital do seu Reino de Itália, que foi um estado que existiu entre 1805 e 1814, no norte da Itália.

Milão foi um importante centro cultural na Europa e, durante a segunda guerra mundial, foi gravemente afetada pelos bombardeios dos aliados, e após a ocupação alemã, em 1943, tornou-se o principal centro da resistência italiana.

Milão é uma cidade internacional e cosmopolita, 13,9% da população é de origem estrangeira, e ela continua sendo um dos principais centros transportacionais e industriais da Europa e é um dos mais importantes centros da União Europeia para negócios e finanças, além de ser conhecida mundialmente como a capital do design.

Nem parece Itália…

A cidade é ainda um dos principais destinos turísticos da Europa, e é especialmente famosa por suas casas e lojas de moda, e pela Galleria Vittorio Emanuele II, na Piazza Duomo. A cidade tem um rico patrimônio cultural e possui uma culinária riquíssima em pratos variados, além de ser o lar de numerosos pratos famosos, como o panetone.

Ok, muito blábláblá até agora mas, o que temos de bom para fazer em Milão?? Bom, eu estive por lá duas vezes e, nas duas vezes, fiquei dois dias, e acho que é o tempo perfeito. É a minha cidade preferida? Não. Pode ser descartada do roteiro? Não. Eu não a consegui encaixar na minha primeira vinda à Itália mas vejo isso como uma falha, de verdade. Por mais que não seja das cidades mais interessantes ( acredito que até por ela ser muito cosmopolita ), ela possui atrações que são imperdíveis, então, se você não tem os dois dias livres, basta um; faz bate-volta de Florença, de Bologna, de Veneza, de onde você estiver.

Qual a primeira coisa que qualquer pessoa que escute falar em Milão tem em mente? Acredito que seja o Duomo; e ele é mais do que motivo suficiente para te fazer ir a Milão. É um absurdo de beleza!!!! Eu digo que tenho três igrejas preferidas, uma na Espanha, uma na França, e uma aqui na Itália, que é o Duomo de Milão. É um daqueles pontos que não importa quantas vezes você passe em frente, você vai olhar, e se maravilhar, e fotografar ( eu devo ter umas cem fotos dele ), e admirar, e admirar, e admirar, de manhã, de tarde, de noite…

   

O Duomo ( ou catedral ) de Milão é a sede da arquidiocese de Milão e uma das mais importantes e complexas edificações do estilo gótico na Europa. Apenas em 1813, mais de quatrocentos anos após o início das obras, a catedral foi dada por finalizada. Ela tem 109 m de largura e 157 m de comprimento; e no interior, são 5 naves com a altura chegando a 45 metros, ou seja, a altura de um prédio de 15 andares. Com suas 136 torres, parece um imenso castelinho feito de areia molhada…é um verdadeiro espetáculo!! E do alto do seu terraço é possível apreciar toda a cidade, custa €13 ( ou €9 se você quiser subir pela escada ). O Duomo abre todos os dias, das 08:00 às 19:00, a visita custa €3, e a visita à área arqueológica custa €7.

Saindo do Duomo é impossível não se maravilhar com o segundo espetáculo milanese, que fica logo ali ao lado…a Galleria Vittorio Emanuele II, o shopping center mais antigo do mundo. Como uma rua coberta, ela liga os 196 metros entre a Piazza Duomo e a Piazza della Scala; e pela presença de lojas de muito prestígio, como Prada, Louis Vuitton, Mercedes, e outras, sempre foi local de encontro da burguesia de Milão. Aliás, o projeto da galeria foi solicitado, exatamente, com a idéia de que aquela região precisava de algo mais à altura da magnitude da catedral.

      

A galeria tem o formato de uma cruz e no encontro das hastes fica a parte coberta pela cúpula e que se chama “ottagono” ( octógono ), pelo corte, na planta, dos quatro ângulos no cruzamento, e é ali que se encontra o famoso mosaico de Torino, onde se deve girar três vezes sobre o calcanhar para obter sorte. Sim, claaaaro que eu fiz…e tem até fila para fazer. Hehehe!! Construída em estilo neo-renascentista, a galeria foi inaugurada em 13 de setembro de 1867, e é um outro espetáculo.

Falando sobre a Piazza Duomo, é uma praça enorme onde tem a estação de metrô Duomo, e se vêem dezenas de pombinhos que, sem medo, se aproximam de nós para comer em nossas mãos. Eu sei que muita gente tem nojo de pombo, ok…mas quem quiser dar comida aos pombinhos, NÃO aceite dos caras que ficam dando ali; leve o seu biscoitinho, pãozinho, qualquer coisa, pois eles te darão a comida e depois te cobrarão. O mesmo acontece com fotos…tire as suas fotos se não pretender comprar as deles.

Atravessando a galeria você chegará à Piazza della Scala onde se encontra o famoso Teatro Scala, uma das mais famosas casas de ópera do mundo.

Bom, se você curte moda ou vai com a idéia de comprar, recomendo uma visita ao Quadrilatero della moda ( Via Montenapoleone ). É uma região comercial de alta classe no centro da cidade. Ali você vai encontrar inúmeras boutiques que representam a maioria das principais casas de moda do mundo.

Uma outra coisa bem exclusiva de Milão é a visita à famosíssima pintura da Última Ceia, de Leonardo da Vinci. Não é um quadro, como muitos pensam, é uma pintura gigantesca, na parede da sala de almoço do antigo convento dominicano, ao lado da igreja de Santa Maria delle Grazie. O bilhete custa €12, a visita dura 15 minutos, é feita em grupos de, no máximo, 25 pessoas, e deve ser comprada com antecedência ( muita ), pois a procura é absurdamente grande. Na segunda vez que fui, só consegui, um mês antes, pois houve desistência. O site onde comprei nas duas vezes foi: https://cenacolovinciano.vivaticket.it/ e você recebe no email um voucher para retirar o seu bilhete no dia.

Bom, nossa próxima parada será no Castello Sforzesco. Reconstruído por Francesco Sforza, era utilizado pelos Visconti como fortaleza, e atualmente abriga vários museus, como a Pinacoteca e Raccolte d´Arte, o Museu della Preistoria, o Museu degli Strumenti Musicali e o Museu d´Arte Antica, que exibe a grande atração do lugar: a Pietà Rondanini, de Michelangelo. O castelo não abre às segundas e a visita aos museus custa €5, mas não é paga a entrada ao átrio do castelo.

Como útimo ponto forte de Milão, cito o Parco Sempione, que fica em frente ao Castello Sforzesco. Fundado em 1888 e com mais de 38 hectares, é um parque enorme e belíssimo, e fica ainda mais belo no outono, quando suas árvores tomam tons amarelados, alaranjados, acobreados…é lindíssimo! Atravesse o parque e chegue até o Arco da Paz.

 

               

Para quem curte uma saidinha à noite, o bairro Navigli é super badalado e tem dezenas de barzinhos à beira do canal. Eu dei uma passadinha rápida, só para conhecer, e tomei um drink no StraRipa bar.

Onde ficar?

Super recomendo o Biocity Hotel. Tudo muito limpo, super confortável, moderno, bom café da manhã, boa localização ( perto da Milano Centrale e de meios de transporte ).

    

Aliás, já que eu falei na facilidade dos meios de transporte, em Milão eles funcionam como no resto da Itália; você compra o bilhete nas tabacarias ( o unitário custa €1,50 ) e ele vale por 90 minutos a partir da convalidação ( pode pegar quantos ônibus quiser, ou bondinho, mas apenas um metrô ). O bilhete diário custa €4,50 e vale por 24 horas a partir da convalidação.

Onde comer?

Em Milão eu, sinceramente, nunca foquei muito na culinária italiana. Na minha primeira visita, eu cozinhava no flat, e na segunda, comi no McDonald’s, busquei um restaurante de carne ( mas nem gostei muito ), então, o que tenho a recomendar é o Rock’n’Roll Milano, um bar/restaurante temático de rock, para quem estiver ali pela região da estação. Fomos nele meio por praticidade e foi uma boa surpresa. Comemos sanduiches no estilo dos da Hard Rock, muito bons. Recomendo!

Os McDonald’s de Milão são sempre lotados, então, se pretender sentar, vá com paciência.

Se você curte pizza de massa alta, tem a pizzaria Spontini em vários pontos de Milão.

Como chegar?

De trem, saindo de Roma, a viagem dura 3 horas e a passagem custa a partir de €78, pela Trenitália, e de €68, pela Italo. A estação principal de Milão é a Milano Centrale, mas lembre-se que Milão tem mais de uma estação ( Milano Centrale, Milano Rho Fiera, Milano Rogoredo, Milano Porta Garibaldi ), então, fique atento na hora de saltar e na  compra da passagem ( algumas estações são feitas apenas por uma das empresas ).

De carro, saindo de Roma, são 490 km, mas saindo de Florença, são 300 km, cerca de 3 horas de viagem, e saindo de Veneza é menos um pouco, são 280 km.

 

 

 

 

 

 

 

One Reply to “Milão”

  1. Adorei Milão! É de uma imponência e beleza únicas. O Duomo é deslumbrante, e a Galeria um verdadeiro esplendor.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *