Florença, um dos xodós italianos e a minha primeira paixão italiana…sim, hoje eu sou louca por Roma, mas Florença foi a que tocou o meu coração logo de cara.

Situada na famosa e belíssima região da Toscana, a 280 km de Roma, ou cerca de 3 horas de carro, Florença é a capital e a maior cidade da Toscana, e um museu a céu aberto, pois abriga muitas obras-primas da arte e arquitetura renascentistas. Um dos lugares mais famosos é o Duomo, a catedral com uma cúpula de azulejos projetada por Brunelleschi e o campanário de Giotto. A Galeria Accademia exibe a escultura do David de Michelangelo, enquanto na Galeria Uffizi há o Nascimento de Vênus de Botticelli e a Anunciação de Leonardo da Vinci. Foi durante muito tempo considerada a capital da moda. É considerada o berço do Renascimento italiano, e uma das cidades mais belas do mundo. É um daqueles lugares que, não importa quantas vezes você for, você sempre se encantará. É palco de filmes, livros, e até jogos; e ficou muito conhecida também por ser a cidade natal de Dante Alighieri, autor da Divina Comédia, que é um marco da literatura universal e de onde a língua italiana moderna tem várias influências.

Florença tem origem num antigo povoado etrusco, e foi governada pela família Médici desde o início do século XV até meados do século XVIII.

A Grande Sinagoga de Florença, também conhecida como Tempio Maggiore (“Templo Principal”), é considerada uma das mais belas da Europa.

    

Destacam-se as diversas e belíssimas catedrais de épocas e estilos diferentes. A cidade também é cenário de obras de artistas do Renascimento, como Michelangelo, Leonardo da Vinci, Giotto di Bondone, Sandro Botticelli, Rafael, Donatello, entre outros.

Nesta cidade nasceram os papas Leão X, Clemente VII, Clemente VIII, Leão XI, Urbano VIII e Clemente XII.

O bom de Florença é que os pontos turísticos estão, praticamente, todos bem próximos, no centro histórico, a pouco mais de 1 km da estação de trem Santa Maria Novella, e você consegue visitar a cidade toda a pé…e para fazê-lo com calma, recomendo de 2 a 3 dias de permanência.

Recomendo que procure um hotel por perto da estação, pois isso facilitará o deslocamento com as malas, será mais barato do que no centro histórico, e não prejudicará o deslocamento pelos pontos turísticos, visto que não é tão longe. Por duas vezes me hospedei no hotel HHB, que fica a 400m da estação mas, ainda que o preço seja bom, eu o classificaria apenas como razoável. O quarto não é ruim, o café-da-manhã é satisfatório, mas na primeira vez tive dificuldade em dormir pois pessoas falavam alto, a noite toda, pelos corredores; e na segunda, a descarga do quarto ao lado perturbava um bocado…ou seja, vale a pena financeiramente, mas tem seus defeitinhos.

Bom, você chegou na estação de Santa Maria Novella e já caminhou até o hotel para deixar tuas malas, então, agora é só curtir a cidade…o primeiro ponto de parada pode ser na Basílica de Santa Maria Novella, e antes de seguir para a Piazza del Duomo, passe na Basílica de San Lorenzo.

  

Chegando na Piazza del Duomo, após recuperar o fôlego que perdeu ao dar de cara com o espetáculo que é o Duomo ( Santa Maria del Fiore ), você pode comprar o seu ingresso ( que vale até por 72 horas, porém uma única visita a cada monumento ) para subir à cupola, visitar o batistério, o campanile, a cripta, ou a catedral; você pode comprar para o próximo horário, ou comprar antecipado para outros dias ( no caso de viagem na alta estação, recomendo a compra antecipada, pela internet, devido à grande procura ), e o acesso à cupola deve ser com horário agendado. O valor do bilhete único para os monumentos, no site do Duomo, é 18€. O duomo de Florença é a terceira maior igreja do mundo ( perde para a São Pedro, em Roma, e para a São Paulo, em Londres ), e era a maior do mundo quando foi construída.

 

Subir na cúpula não é a mais fácil das coisas ( muito menos para quem tem bronquite, como eu ), mas devagar, e com uma garrafinha d’água, se chega lá, e vale muito…após vencer os mais de 450 degraus, o visual é MA-RA-VI-LHO-SO!!

           

Saindo do Duomo, siga pela Via dei Calzaiuoli e você chegará na incrível Piazza della Signoria, onde o teu fôlego te faltará de novo, ao ver o belíssimo Palazzo Vecchio. A estátua de David que está na entrada não é a original, que está na Galeria dell’Accademia, mas já é uma bela visão. À direita do Palazzo Vecchio está a Loggia dei Lanzi, onde se vê outras obras de artes famosas.

   

Loggia quer dizer galeria, arcada aberta e a de Florença recebeu esse nome porque ali acamparam os Lanzichenecchi, ou soldados mercenários que serviam ao Sacro Império Romano. Eles se abrigaram ali em 1527, a caminho de Roma, e a Loggia passou a ser chamada de Loggia dei Lanzi, numa abreviação do nome alemão.

São treze as esculturas que se pode contemplar de perto, a qualquer hora do dia ou da noite, e de graça. Todas belíssimas, mas a mais famosa é Perseu com a cabeça da Medusa, a única obra feita exclusivamente para a Loggia; as outras são: O Rapto das Sabinas, Hércules e o Centauro Nesso, Menelao e Patroclo, Rapto de Polissena, e as Sabinas.

      

No Palazzo Vecchio está a famosa sala dos 500 ( salone dei 500 )…e se você, como eu, leu “Inferno”, de Dan Brown, você vai querer visitá-la. É a maior e mais importante sala sob o perfil histórico-artístico do palácio; tem um comprimento de 54 metros, uma largura de 23 e uma altura de 18 metros. O palácio é a sede do município, representa a melhor síntese da arquitetura civil da cidade do século XIV e é um dos edifícios cívicos mais famosos do mundo.

Saindo da Piazza della Signoria, siga pela Piazzale degli Uffizi, que fica entre o Pallazo e a Loggia você chegará à Galleria degli Uffizi…

ou siga pela Via Vacchereccia, e vire à esquerda na Via Por Santa Maria para chegar à Ponte Vecchio, que é um dos símbolos da cidade de Florença e uma das pontes mais famosas do mundo. Ela atravessa o rio Arno por cerca de 150 metros e foi a única ponte que cruzou o Arno em Florença até 1218, mas a atual foi construída em 1345 depois que uma inundação violenta destruiu a ponte anterior.
Durante a Segunda Guerra Mundial, as tropas alemãs destruíram todas as pontes de Florença, exceto esta.

  

Sobre a ponte você pode ver parte do belo corredor de Vasari. Este corredor, construído em 1565 por Giorgio Vasari, passa acima das lojas de ourives que estão atualmente em ambos os lados da ponte. Encomendado pelos Medici, permitia-lhes passar do Palazzo Vecchio para o Palazzo Pitti sem ter que atravessar as ruas de Florença, com toda a segurança. No momento da construção do Corredor, as oficinas de açougueiros tomavam a ponte, o que provavelmente interferiu na atividade dos Medici, que em 1593 os retirou, substituindo-os pelas lojas de ourives mais “decentes”.

Seguindo sempre em frente na Ponte Vecchio, pela Via de Guicciardini, por cerca de 400 m, você chegará ao Palazzo Pitti, que como já citei em outro post, abriga diversos museus e os Giardini di Boboli.

  

No fim do dia, guarde um pouquinho de força para subir até a Piazzale Michelangelo, de onde se vê toda Florença, e um belíssimo pôr do sol.

  

Na volta, ao passar pela Ponte Vecchio, não deixe de fazer um carinho no focinho do leitão da Fontana del Porcellino, na Loggia del Mercato Nuovo. A tradição popular diz que tocar o nariz do leitão traz boa sorte; e de fato o nariz do bichinho brilha devido ao contínuo polimento diário de milhares de mãos que o acariciam. Na verdade, o procedimento completo para obter um bom presságio seria colocar uma moeda na boca dele depois de esfregar o nariz: se a moeda cair sobre a grade onde a água cai, isso trará boa sorte; caso contrário, não ( na realidade, devido a inclinação apenas as moedas mais pesadas caem facilmente nas fendas ).

Ainda sobre o livro “Inferno”, se você quer conhecer o Museu Casa de Dante, e ver a famosa máscara mortuária citada no livro, ele também fica no centro histórico, entre o Duomo e a Piazza della Signoria, na via Via Santa Margherita, 1.

A Galeria dell’Accademia é onde está o David original de Michelangelo. Fica em uma rua à esquerda do Duomo: Via Ricasoli. O museu, o quarto da Itália em número de visitantes após o Uffizi, exibe o maior número de esculturas de Michelangelo no mundo ( são sete ). Dentro da Galeria também estão alojados outras seções, incluindo a maior e mais importante coleção do mundo de pinturas com fundo dourado, e o Museu de instrumentos musicais, onde são exibidos muitos artefatos pertencentes à coleção histórica do Conservatório Luigi Cherubini.

Outro ponto importante é a Basílica Santa Croce, na praça homônima; é uma das maiores igrejas franciscanas e uma das maiores realizações do gótico na Itália, e tem o grau de basílica menor. É o local de sepultamento de alguns dos mais ilustres personagens italianos, como Michelangelo Buonarroti, Galileu Galilei, Nicolau Maquiavel, Vittorio Alfieri, Ugo Foscolo e Gioacchino Rossini, sendo por isso conhecido como o Templo da Glória. Apesar de ser uma igreja católica, há também enterros de não-católicos, incluindo o próprio Foscolo. A primeira personalidade ilustre enterrada foi Leonardo Bruni na segunda metade do século XV, e a última, foi Giovanni Gentile em 1944, mas no período pós-guerra foram afixadas placas comemorativas, como a de Enrico Fermi, cujo túmulo é encontrado nos Estados Unidos. A Santa Croce é um símbolo de prestígio de Florença, o ponto de encontro dos maiores artistas, teólogos, religiosos, escritores, humanistas e políticos, que determinaram a identidade da cidade medieval e renascentista. A basílica fica algumas ruas atrás do Palazzo Vecchio, basta seguir pelo Borgo dei Greci, na lateral do palácio.

   

   

Onde comer:

Vou ser bem sincera, foi em Florença que comi a melhor carne aqui na Itália. Não vou dizer que o restaurante era baratinho, mas foram 75 por um prato para três pessoas, com digestivo incluso, e mega delicioso: I’Tuscani 2 – Via dei Federighi, 37. E uma coisa interessante neste restaurante é que os pratos e guardanapos são feitos de milho.

   

Um outro lugar que faço questão de comer quando vou a Florença é no OK Bar, na via dei Servi, 97. Eles fizeram uma mega reforma há pouco tempo, mudaram tudo, mas continuam bons. Tem um ravioli com frutos do mar que é maravilhosonhammm!!

Onde se hospedar:

HHB Hotel – Via della Scala, 49 ( já falei sobre ele mais acima )

2 Replies to “Florença”

  1. Fantástico relato sobre as belezas de Florença. Encantadora cidade. Parabéns!!!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *